FISIOTERAPIA MANUAL

                                       

 

    Antes de qualquer tratamento que envolva movimentos de rotação articular, é importante que o terapeuta se assegure de que a amplitude de deslizamento articular é suficiente para evitar qualquer lesão à articulação.

   É mais racional examinar, em primeiro lugar, o deslizamento normal e, se necessário, restaurá-lo com tração ou a mobilização por deslizamento.

  Movimentos de tração e deslizamento podem diminuir a dor, o espasmo muscular e o edema, melhorando desta maneira, a mobilidade sem alongar os tecidos.

    A disfunção dos tecidos moles pode alterar o movimento articular e diminuir a eficácia da mobilização-alongamento da articulação. É por isso que o tratamento frequentemente começa com o procedimento visando diminuir a dor e o espasmo muscular ou aumentar a mobilidade dos tecidos moles.

  Esses procedimentos auxiliares podem também tornar mais fácil a realização da mobilização das articulações, produzindo um efeito mais duradouro.

                                       

MESA DE TRAÇÃO ELETRÔNICA

                                       

 

    A mesa de tração eletrônica possui um mecanismo de deslizamento com molas que controlam o atrito do paciente sobre a mesa e garante progressão segura, suave e confortável e precisa nos processos de aplicação e retirada de carga de tração. A unidade de tração é computadorizada e promove uma força descompressiva no eixo axial da coluna vertebral do paciente.

   Ela possui peças de apoio para os joelhos que facilitam a retificação da coluna lombar e as cintas de contato circunferenciais que são largas e flexíveis para promover um ajuste perfeito ao padrão corporal de cada pessoa.

   Os ajustes de tempo, carga e tipo (intermitente ou estática) e outras características do processo de tração são programados pelo fisioterapeuta e dependem de cada paciente e da patologia a ser tratada.

    A mesa de tração ainda oferece uma chave de controle que permite ao paciente desativar a tração eletrônica sem a ajuda do fisioterapeuta em caso de desconforto, reduzindo a carga gradativamente a zero.

    Benefícios da tração:

* Aumento do espaço intervertebral alongando os músculos espinhais monoarticulares;

* Melhora da mobilidade dos ligamentos, cápsulas e deslizamento das facetas articulares;

* Melhora da circulação local;

* Diminuição da compressão da raiz nervosa.

 

MESA DE FLEXÃO-DESCOMPRESSÃO

                                       

 

   Este equipamento possibilita que o fisioterapeuta tenha total controle sobre a mobilidade da coluna vertebral do paciente, permitindo movimentos de flexão, extensão e látero-flexão. Deste modo, o tratamento pode ser realizado de forma mais confortável, e, consequentemente, mais precisa.

    Nesta mesa, aplica-se uma força de descompressão associada à flexão da coluna vertebral exatamente no nível a ser tratado.

    A mesa é capaz de ser regulada de acordo com a evolução do paciente, minimizando posturas dolorosas durante o tratamento.

    Benefícios da flexão-descompressão:
* Diminuição da protusão do disco;
* Redução da estenose pelo alongamento do ligamento amarelo;
* Abertura do canal vertebral em 2 mm;
* Alívio do espaço do nervo e gânglios da raiz dorsal pela abertura dos forâmens.

 

ESTABILIZAÇÃO SEGMENTAR VERTEBRAL

                                       

 

    A estabilidade vertebral é definida como a habilidade de controlar movimento e prevenir movimentos indesejáveis da coluna. Esta estabilidade é realizada pelos músculos profundos, principalmente, os multífidos e transverso do abdome.

  O programa de estabilização utiliza o sistema musular específico para proteger as estruturas articulares dos microtraumas repetitivos, dor recorrente e alterações degenerativas.

    Quando a coluna vertebral está lesionada, estes músculos não respondem e o corpo se adapta, utilizando musculaturas dinâmicas, responsáveis somente pelo movimento do corpo e não pela estabilidade. É necessário o recondicionamento destes músculos profundos para gerar proteção novamente.

    Para isso contamos com o Stabilizer. Ele é um aparelho simples destinado a registrar as alterações de pressão numa bolsa  pneumática e que permite detectar compensações inadequadas durante o exercício.

 

EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS ESPECÍFICOS

                                       

    Após o término das sessões previstas é fundamental buscar alternativas para manter os benefícios decorrentes do tratamento. Serão necessários estímulos frequentes e graduais que garantam a integridade das estruturas músculo-esqueléticas envolvidas e previnam contra novas crises. Os exercícios pós-tratamento serão indicados pelo fisioterapeuta, com orientações específicas, de acordo com cada caso.